segunda-feira, 21 de junho de 2010

Maldita esperança.

Olhei para o céu e senti a mesma ventania. Brisa quente, vento de mudanças.
Tento afastar o pensamento que me veio a mente naquela tarde.

Vi dois caminhos a minha frente. Olhei para cima e pedi perdão a Deus por estar escolhendo o errado.
O erro e o peso do arrependimento por não ter ido embora conseguiram se tornar maiores do que qualquer outra dor que eu sinta, ainda sabendo que nunca poderei te procurar quando estiver mal.

Senti o carinho com que ele havia me pegado no colo se tornar raiva, deverás eu não quís acreditar que nem ao menos olhou em meus olhos e acreditou em mim quando lhe disse que não era o causador da minha dor. Sentia a vontade inútil de fazer algo para que reagisse, e a cada minuto que se passava via que não adiantaria.

Não houve princípe que me tirasse da torre.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Madrugada

Estava conversando contigo, e você nada me falou. Eu não ouvia mais o som da tua voz. Numa ansia meia atonita, frenética, abri os olhos te chamei você não me respondeu. Me contorci na madrugada vazia, tentei fechar os olhos, mas não te encontrei. Não durmi.
Eu te queria comigo, um amor meio selvagem e sensível.

"(...) Leviandade grave, vaidade séria, caos imano e informe de belas aparências, chumbo leve, fumaça luminosa, chama fria. saúde doente, sono sempre esperto, que não é nunca o que é.(...)"
Romeu ato I cena I por William Shakespeare. 

Eu só te queria. Te queria naquele sonho real, sem perceber acordei num pesadelo desolado.

Talvez hoje



Talvez hoje eu possa me levantar e fazer o que há muito tempo eu quero... talvez hoje eu volte para a cama sem querer nunca ter pensado em sair.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Contratempos

O que tem miserável ou bondoso Ser para ser tão importante em nossas vidas?

Minha cunhada, com ímpeto se tornou especial em muito pouco tempo talvez pelo fato de tão somente  o ser.
O incomum entre a gente acabou nos fazendo cometer erros simples com consequências nem tanto.

Em tão curto espaço de tempo vi dados rolarem.
Números repetidos! Mesmo e r r o.

Talvez tenhamos inconscientemente aprendido a mesma lição: Ambas não guardamos segredos de nossos namorados (fidelidade e sinceridade)... e infelizmente eles também não (provocação e zuação)!

terça-feira, 1 de junho de 2010

Onipotente

Salmos 91

1.
¶ Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará.
2.
Direi do SENHOR: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.
3.
Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.
4.
Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel.
5.
Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia,
6.
Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia.
7.
Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti.
8.
Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios.
9.
¶ Porque tu, ó SENHOR, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação.
10.
Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda.
11.
Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os teus caminhos.
12.
Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra.
13.
Pisarás o leão e a cobra; calcarás aos pés o filho do leão e a serpente.
14.
Porquanto tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei em retiro alto, porque conheceu o meu nome.
15.
Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; dela o retirarei, e o glorificarei.
16.
Fartá-lo-ei com longura de dias, e lhe mostrarei a minha salvação.